Stonewall e a história Queer [English]

pride-queer

Transcrição

Igor: Hi everybody who’s listening, my name is Igor and today we have a very special and dear topic to our hearts, which is that we are starting June and in June we celebrate Pride Month and I’m excited to talk about it!

Hello Gabriela, how are you today?

Gabriela: Hello, I’m fine.

Igor:  So, we will talk about the origins of Pride Month and we will do a quick overview of facts and talk about some events that we think are… are just awesome! So Gabi, are you aware of the Stonewall riots? 

Gabriela: Yes, I think it’s a fascinating story and I think it’s something that everyone should learn about. 

Igor: Exactly. So, from what I gathered, in the 60’s, in the United States, there was some censorship of a lot of things, and especially censorship of queer identities. And so, gay people, trans people, lesbian people; anyone who didn’t conform to the binaries of gender, they were socially unacceptable. And bars in New York City didn’t allow any queer people inside,  so some illegal bars were open to queer public, especially for gay people who had established themselves economically, they had money and they had possessions. And because some bars were illegal, gay bars were often raided by police officers and this day in June, police officers raided this bar called Stonewall Inn and they took a lot of people to jail. So a lot of people were put in jail because this bar was illicit – according to the police officers. Also there was some violence with the actions of the policemen. Because of this a series of protests started happening. The setup was perfect and people started to speak up and today, Stonewall is historical. So, do you have any people of notoriety that you look up when you search for Stonewall riots?

Gabriela: Yes, actually one of the main leaders to this whole riot was a trans woman called Marsha P. Johnson and her best friend called Sylvia Rivera. Marsha was the main leader and Sylvia was her best friend since childhood. So they went through a lot together and they actually founded a group called STAR which meant Street Transvestite Action Revolutionaries. So they were really dealing with this since the beginning and the bar has been targeted by the policemen for years and they just couldn’t take it anymore. They had to take action.
So they actually were very strong and both Marsha and Sylvia are a great inspiration for the generations that came after because they never lay down, they were actually fighting ‘till the end and they really represent this power that comes with being a queer person, because they went through a lot and they actually were always, you know, studying about it, creating group studies about it.
Sylvia Rivera actually identified as a drag queen at the beginning but she later identified herself as a travesty not exactly a trans woman because she was Latina, but it’s really important that we discuss this kind of thing because it’s really what represents queer people as a whole, you know, experimenting, fighting, and going against everything that is oppressing us. So both Marsha and Sylvia are great leaders and great examples. 

Igor: After the riots, and also to remember the riots, people started doing pride marches. That’s where we started to not only fight, but also party, because we can always sparkle it up a little bit, and who else better to do it than us?
So the first ever Pride March happened in New York City, of course, on June 28th of 1970. Also, I would like to mention that the 60s is a historical milestone for Brazil, and we had (unfortunately) a period of dictatorship and queer people were targeted. They were targeted and attacked. You were not allowed to have large audiences and to speak up about political issues, about transgressive identities. You were not allowed to be too much.

Gabriela: So it’s kind of sad, it’s melancholic, but I think that it’s really important to also celebrate the icons that they were and are. 

Igor: But now, dictatorship is over, and we should also end all the ideas of intolerance. 

Gabriela: Yes, I 100% agree, but I also think that it’s really scary what’s been happening in countries like the United States, where governments are trying to simply ban drag queen shows and queer people, you know, living their lives. They want to ban trans people from sports, they want to ban trans people from using their bathrooms, they are trying to ban drag queen shows, as I’ve said, they are saying that queer culture is bad for children… So it’s really scary that at the same time we are evolving as a society, we are also regressing to this older and scarier times. Even if we don’t have a dictatorship, it’s something that is still really present in our society. 

Igor: The last thing I would like to touch on is the word queer. I think that the word queer is an important word that we should have in our vocabulary because the word queer, for me, today means union and it means freedom and it means that all possibilities are open for you. People like to use all the letters.

Gabriela: LGBTQIA+? Or something like that. 

Igor: Yes, and in some countries people also add the two-spirited people. 

Gabriela: Yes. 

Igor: So there is LGBTQA2S+, I think. 

Gabriela: Yes. 

Igor: It’s a lot of letters, and even if we had 23, 50 words, queer people are so curious, they are so unstoppable, and they are so constantly expanding that new words would be added every second, new letters would be added every second. So I like the word queer because it makes us realize that we are a group and that we can be united, and that  we can talk from a common ground, because we have cultural and identities that we share even though we are very specific and we are very unique, each and every one of us. We can, we have experiences and we also share some culture. So, if we can just look at each other and talk to each other, that is how we build a stronger community. And I like that. I like the marches, I like the celebrations, I like everything, everything that we can do together. And that’s why I like the word queer, because it means, today, it’s just a more powerful word for me.

What do you think about this?

Gabriela: I think that queer is a very interesting word because it used to be a slur, and it actually means something odd, something strange, something out of the norms. So I think this is a word that really represents what our people is, because it is really this, you know… this sense of experimenting and trying to find yourself. As Judith Butler says people, queer people are always trying to run away from the guard who is always watching us and trying to fit us in a norm. And not trying to end this on a bad note, but this is something that is really hard and Butler always says that is almost impossible to run away from this guard but we are always trying because we want to do that, we want to experiment our identities, our sexualities, and run away from the norms that people want us to fit in. So, it’s a word that represents all of these ideas and I think it’s really important for us to just give a new meaning to this word because we are strange, we are odd, we are out of the norms… Just not in a bad way. It’s just who we are and who we wanna be. 

______________________________________________________________________________________________________________

Tradução

Igor: Olá a todos que estão ouvindo, meu nome é Igor e hoje temos um tópico muito especial e querido em nossos corações, que é o fato de estarmos começando junho e em junho comemoramos o Mês do Orgulho e estou animado para falar sobre isso! 

Olá Gabriela, como você está hoje?

Gabriela: Olá, estou bem.

Igor: Então, vamos falar sobre as origens do Pride Month (Mês do Orgulho) e faremos uma rápida visão geral dos fatos e falaremos sobre alguns eventos que achamos que são… são simplesmente incríveis! Então, Gabi, você conhece as revoltas de Stonewall? 

Gabriela: Sim, acho que é uma história fascinante e que todo mundo deveria conhecer. 

Igor: Exatamente. Pelo que entendi, nos anos 60, nos Estados Unidos, havia censura de muitas coisas e, principalmente, censura de identidades queer. Assim, gays, pessoas trans, lésbicas, qualquer pessoa que não se enquadrasse nos binários de gênero era socialmente inaceitável. E os bares da cidade de Nova York não permitiam a entrada de pessoas queer, portanto, alguns bares ilegais eram abertos ao público queer, especialmente para os gays que haviam se estabelecido economicamente, tinham dinheiro e posses. E como alguns bares eram ilegais, os bares gays eram frequentemente invadidos por policiais e, em junho, os policiais invadiram um bar chamado Stonewall Inn e levaram muitas pessoas para a cadeia. Portanto, muitas pessoas foram presas porque esse bar era ilícito, de acordo com os policiais. Além disso, houve um pouco de violência com as ações dos policiais. Por causa disso, uma série de protestos começou a acontecer. O cenário era perfeito e as pessoas começaram a se manifestar e, hoje, Stonewall é histórico. Então, você tem alguma pessoa de renome que procura quando pesquisa sobre as revoltas de Stonewall?

Gabriela: Sim, na verdade uma das principais líderes de toda essa revolta foi uma mulher trans chamada Marsha P. Johnson e sua melhor amiga chamada Sylvia Rivera. Marsha era a principal líder e Sylvia era sua melhor amiga desde a infância. Elas passaram por muitas coisas juntas e fundaram um grupo chamado STAR, que significa Street Transvestite Action Revolutionaries. Elas estavam realmente lidando com isso desde o início e o bar tem sido alvo da polícia há anos e elas simplesmente não aguentavam mais. Tiveram de agir. 

Marsha e Sylvia são uma grande inspiração para as gerações que vieram depois, porque elas nunca se acomodaram, lutaram até o fim e realmente representam o poder de ser uma pessoa queer, porque elas passaram por muita coisa e estavam sempre, sabe, estudando sobre o assunto, criando grupos de estudos sobre o tema. 

Sylvia Rivera realmente se identificou como drag queen no início, mas depois se identificou como travesti, não exatamente uma mulher trans, porque era latina, mas é muito importante discutirmos esse tipo de coisa porque é o que realmente representa as pessoas queer como um todo, sabe, experimentando, lutando e indo contra tudo o que nos oprime. Portanto, tanto Marsha quanto Sylvia são grandes líderes e grandes exemplos. 

Igor: Depois das revoltas, e também para lembrar das revoltas, as pessoas começaram a fazer marchas do orgulho. Foi aí que começamos não apenas a lutar, mas também a festejar, porque sempre podemos dar um pouco mais de brilho, e quem melhor do que nós para fazer isso? 

Portanto, a primeira Marcha do Orgulho aconteceu na cidade de Nova York, é claro, em 28 de junho de 1970. Além disso, gostaria de mencionar que a década de 60 é um marco histórico para o Brasil, e tivemos (infelizmente) um período de ditadura e as pessoas queer foram alvo. Eles eram alvos e atacados. Não era permitido ter grandes públicos e falar sobre questões políticas, sobre identidades transgressoras. Não era permitido ser “demais”.

Gabriela: Então é meio triste, é melancólico, mas acho que é muito importante também celebrar os ícones que eles foram e são. 

Igor: Mas agora, a ditadura acabou, e também devemos acabar com todas as ideias de intolerância. 

Gabriela: Sim, concordo 100%, mas também acho que é realmente assustador o que está acontecendo em países como os Estados Unidos, onde os governos estão tentando simplesmente proibir shows de drag queen e pessoas queer, sabe, vivendo suas vidas. Eles querem proibir as pessoas trans de praticar esportes, querem proibir as pessoas trans de usar seus banheiros, estão tentando proibir shows de drag queen, como eu disse, estão dizendo que a cultura queer é ruim para as crianças… Portanto, é realmente assustador que, ao mesmo tempo em que estamos evoluindo como sociedade, também estamos regredindo a esses tempos mais antigos e assustadores. Mesmo que não tenhamos uma ditadura, isso é algo que ainda está muito presente em nossa sociedade. 

Igor: A última coisa que eu gostaria de abordar é a palavra queer. Acho que a palavra queer é uma palavra importante que deveríamos ter em nosso vocabulário, porque a palavra queer, para mim, hoje significa união e significa liberdade e significa que todas as possibilidades estão abertas para você. As pessoas gostam de usar todas as letras.

Gabriela: LGBTQIA+? Ou algo do gênero. 

Igor: Sim, e em alguns países as pessoas também acrescentam as pessoas de dois espíritos. 

Gabriela: Sim. 

Igor: Então existe LGBTQA2S+, eu acho. 

Gabriela: Sim. 

Igor: São muitas letras, e mesmo que tivéssemos 23, 50 palavras, as pessoas queer são tão curiosas, são tão imparáveis e estão em constante expansão que novas palavras seriam adicionadas a cada segundo, novas letras seriam adicionadas a cada segundo. Portanto, gosto da palavra queer porque ela nos faz perceber que somos um grupo e que podemos nos unir, e que podemos falar a partir de um ponto comum, porque temos identidades e culturas que compartilhamos, embora sejamos muito específicos e únicos, cada um de nós. Podemos, temos experiências e também compartilhamos alguma cultura. Portanto, se pudermos nos olhar e conversar uns com os outros, é assim que construiremos uma comunidade mais forte. E eu gosto disso. Gosto das marchas, gosto das comemorações, gosto de tudo, tudo o que podemos fazer juntos. E é por isso que gosto da palavra queer, porque ela significa, hoje, é uma palavra mais poderosa para mim.

O que você pensa sobre isso?

Gabriela: Acho que queer é uma palavra muito interessante porque costumava ser uma calúnia e, na verdade, significa algo estranho, algo fora dos padrões. Portanto, acho que essa é uma palavra que realmente representa o que é o nosso povo, porque é realmente esse, você sabe… esse senso de experimentar e tentar se encontrar. Como Judith Butler diz, as pessoas, as pessoas queer estão sempre tentando fugir do guarda que está sempre nos observando e tentando nos encaixar em uma norma. E não estou tentando terminar com uma nota ruim, mas isso é algo realmente difícil e Butler sempre diz que é quase impossível fugir desse guarda, mas estamos sempre tentando porque queremos fazer isso, queremos experimentar nossas identidades, nossas sexualidades e fugir das normas nas quais as pessoas querem que nos encaixemos. Portanto, é uma palavra que representa todas essas ideias e acho que é muito importante darmos um novo significado a essa palavra porque somos estranhos, somos esquisitos, estamos fora das normas… Mas não de uma forma ruim. É apenas quem somos e quem queremos ser.

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn